De retalhos... a bolsa!

Para dar caminho aos retalhos, resolvi começar a cortar quadrados. 
Queria dar conta dos retalhos todos, mas... não havia meio de ver o fundo da caixa! Decidi-me, então, pelos mais pequenos e, após uma hora de cortadelas, tinha quadrados suficientes para uma manta! Mas, a minha pouca experiência nestas andanças do patchwork não me deixou chegar a tanto. 
Precisava de uma bolsa para trazer às costas, com aquelas coisas básicas que usamos sempre (telemóvel, chaves, carteira,...). Imaginei o jeito que me dava, numa saída rápida (desportiva, informal) ou mesmo numa caminhada.
Mas, não queria que ficasse um saco do pão e por isso um retalho de calças de ganga (velhas) e um fechamento diferente foram suficientes para lhe dar um certo ar jovial, alegre, solto, descomprometido, quase profissional  (esqueçam os quadrados desalinhados, ok?).

Se quiserem saber tudo, podem seguir-me pelo tutorial acabadinho de preparar e que pode ajudar-vos a fazer uma bolsita destas (mais perfeita, espero). :)

Peço desculpas pelo trabalho inacabado (faltam os cordões e as ilhoses), mas não resisto a mostrá-lo já!


Para grandes males...

... grandes remédios!
Atendendo à dimensão da tira e à possível funcionalidade do projeto, nasceu mais uma lixeirinha que muito vai ajudar a dona bordadeira a manter o espaço organizado e livre de linhas e de retalhinhos de quadrilé, linho, lugana, modal... o que seja!
Para aproveitar o tecido do bordado ao máximo, coloquei uma grega na parte inferior que lhe deu toda a graça (quanto a mim, mãe babada). O tecido xadrez tinha cá em casa já na caixinha dos retalhos, mas foi suficiente para abrilhantar o exterior (conjuga lindamente com o tecido estampado) e forrar a lixeirinha. 
Não utilizei o tecido das flores, pois já o tinha usado num bordado feito por mim e acabado em forma de cestinha, como podem ver aqui. Obrigada pelos gentis palpites! 
A inspiração veio daqui. É a segunda que faço, mas ainda que fosse a décima, a intensidade do encantamento e do contentamento seria a mesma, seguramente!

PS: Vai-me custar desapegar-me desta cria... seguirá para a dona com os restantes tecidos. :)




Ai a minha vida!

Num bordado, nunca se deve deixar tão pouco tecido de margem (superior, inferior ou lateral). Em caso de dúvida, é preferível deixar de mais.
Uma amiga bordou esta tira e ficou de tal maneira aflita (com a mini margem que deixou na parte superior) que, há dias, ma entregou, dizendo: por favor, dá um acabamento nisto, pois não sei como fazer... não queria estragar este bordado. :(

Hesitei, parei, pensei e... resolvi aceitar. Os amigos são para as ocasiões, não são?


Os tecidos foram sua escolha, mas estou a usar apenas um deles, conseguem adivinhar qual?
Amanhã, trago o resultado, sendo que não me vou calar: ai a minha vida! :)

Meias azuis

Prontinhas!
Com as noites frias que ainda se fazem sentir, nada me sabe melhor do que embrulhar os pés numas meias quentinhas, feitas à mão. E se este verão for como o anterior, não os vou desembrulhar tão cedo! :)



Plágio!

Dava para rir, se o assunto não fosse demasiado sério...
Vejam só que hoje descobri, na blogosfera, alguém que faz cópia das minhas imagens e usa-as como se fossem suas, como se fossem seus, os meus trabalhos.
Este blog nasceu para mostrar o que faço, para ajudar, para inspirar, para partilhar, para aprender, para ensinar, sem qualquer fim lucrativo. 
Todas as fotos foram e são tiradas por mim aos trabalhos que gosto de fazer, nos meus tempos livres. 
É demasiado descaramento e um abuso desmedido, alguém servir-se dos mesmos para enganar seja quem for. :(
Por isso, dei conhecimento ao google e para que tal não volte a acontecer, a partir de hoje personalizarei, com mais pormenor, todas as fotos. Peço desculpas, por tal, aos meus amigos, aos meus seguidores, aos meus comentadores e aos visitantes que agindo de boa fé, sairão um tanto prejudicados com a eventual perca de qualidade das imagens.
Obrigada! 

Melhor do que um...

Só dois rolinhos!
A ver se dou caminho aos retalhos que já enchem uma das minhas preciosas caixas de cartão (da maneira que se multiplicam, duvido que alguma vez, lhe veja o fundo - da caixa, pois). :)






Do fim de semana...

... vieram dois trabalhos.
O saco do pão para uma amiga que está em convalescença.
Achei que este tecido colorido, com corações a podia animar e encorajar um pouco... 
Mandei ontem, por correio azul, deve ter chegado hoje.



As meias começadas com lã acabada de chegar do Arco Íris a Metro, onde por mero acaso encontrei fios específicos para a confeção de meias. Depois de recebidos, quem é que resistia a olhar para a paleta, sem lhe tocar? Comecei pelas azuis, depois logo se vê... sendo que para o próximo inverno quero tê-las todas prontas: 5 pares, nem mais!


Saco do pão

Agora que os sacos plásticos passaram a ser pagos, entraram em ação os sacos do pão! :)

Este, obedecendo ao desejo de quem o encomendou, teve o privilégio de ser decorado com um simples bordado (Spooky String - Lizzie Kate). Cedi a este especial pedido com muito gosto, pois já tinha saudades de bordar.
Para realçar os tons alaranjados, comprei cordão laranja e rematei a parte inferior com uma grega (olhem só para o que me deu), que me ia deixando "grega" com o acerto da costura.
No fim, tudo compensa, porque me esqueço da trabalheira, do nervoso miudinho, do cose e descose e até da dor de costas. Quando olho, observo, miro de perto, miro de longe, tiro fotos, vejo fotos, apago fotos e o encanto não se desfaz!

Dizer que gostei, sabe-me a pouco, então digo: a-do-rei!




Fronhas

Gosto muito de oferecer prendas com utilidade. 
Os meus sobrinhos reclamavam, cada vez que a mãe tinha de mudar de fronhas. As que lhes ofereci no Natal, estavam sempre a ser lavadas e passadas, pois só gostavam de dormir nelas... :)
Uma vez que estava sem tempo e sem inspiração para outro bordado, procurei tecidos lindos, delicados, adequados aos interesses das crianças e inteiramente ao meu gosto. Quando os encontrei, tive a certeza de que eram AQUELES: caracóis para o de 4 anos e carrinhos para o de 10. 

Para dar mais luminosiade ao conjunto, coloquei uma grega branca que veio realçar a delicadeza dos padrões. E fiz costura francesa (acho que é assim que se chama), fica mais forte e com um acabamento tão perfeito que chega a confundir-se o interior com o exterior. 
Gostei tanto! 

E a ver pelo sorriso rasgado e o abraço apertado, acho que não me enganei!







Meias, ainda?

Tinha decidido (mesmo?) que as meias estavam arrumadas para este ano (digo, inverno). 
No entanto, a timidez da primavera, que se fez sentir na semana passada, levou-me a pegar nas agulhas, tinha saudades das lãs, ou do calor que elas emanam... :)
Terminei-as mesmo a tempo de presentear dois irmãos: para ela, as clássicas; para ele, as da trancinha (gostei tanto de fazer a trança nas meias azuis que não resisti).

Espero que seja uma agradável surpresa!